Páginas

sábado, 25 de dezembro de 2010

2 Teatro: O Presente que não foi entregue!


Eu e os alunos da EBD Mensageiros da Fé, estivemos, por três semanas, ensaiando uma peça de teatro, para ser apresentada na véspera de natal, dia 24 de dezembro, onde, a igreja foi convidada a assistir.

Foram dias, de bom ânimo, brincadeiras, ensaios e agitações, mas foram, todos os momentos, bem aproveitados!

Meus alunos são muito queridos, participativos e responsáveis, pois se dedicaram, com empenho, obtendo bons resultados, na peça apresentada!

Eu amei, a encenação de todos os alunos!

Assim que o missionário Alderi, me alcançar as fotos, eu posto-as aqui!

Deixo para vocês, a peça de teatro, juntamente com a belíssima mensagem apresentada na véspera do natal. Todavia, foi retirada do blog http://www.teatrocristao.net/texto/o_presente_que_nao_foi_entregue . Porém, eu fiz algumas modificações.


O PRESENTE QUE NÃO FOI ENTREGUE

PERSONAGENS:

JORGE - Jessé
BASÍLIO- David
GERALDO – MENINO - Lucas
GERALDO – JOVEM - Pablo
GERALDO – HOMEM MADURO – Maico
Entregar presentes - Taiane
Pegar presentes - Jéssica
Pegar presentes - Daniel
Pegar presentes - André

NARRADOR:
Hoje, quero contar a vocês, a história de um menino muito pobre, que se chamava Geraldo.
Ele morava numa cidade, onde, todos os anos, as pessoas ricas davam uma festa e presenteavam as crianças pobrezinhas. Eram distribuídos roupas, calçados, muitos brinquedos e até dinheiro.
Sua família era muito pobre e ele nunca ganhava presente no natal. Mas esse ano, ele com certeza, iria ganhar.
Na véspera de natal, Geraldo estava ansioso para chegar a hora dos presentes, e para que chamassem o seu nome, pois estava com fome e tremendo de frio.
E a demora era grande. Parecia que o seu nome era o último da lista, mas ele esperava. Quem sabe não ganhava um par de sapatos!
Ali estava também, o seu amigo Jorge, tão pobre quanto ele, esperando pelo seu presente. Os minutos se passavam e Jorge não suportando mais o frio disse ao seu amigo:
_ Eu vou desistir. Não suporto mais o frio. Se ficar aqui sem agasalho, como estou, vou morrer de frio. Mas se disserem o meu nome, você Geraldo, pegue o meu presente e depois me entregue. E dizendo isso foi embora sem muita esperança de que se lembrassem dele.
Pouco depois a pessoa responsável pela entrega dos presentes gritou:
Geraldo Delamar! E logo a seguir: Jorge...Jorge Cristie!
Geraldo correu cheio de alegria e pegou o seu presente agradecendo.
Mais uma vez o nome de Jorge foi chamado e Geraldo contou então que ele fora embora por não suportar o frio, mas que ele, Geraldo podia entregar o presente de Jorge. E assim Geraldo pegou também o presente de Jorge.
Então, Geraldo falou: Um para mim e outro para Jorge. São tão pequenos.  E eu que esperava ganhar pelo menos um par de sapatos este ano. (Geraldo abriu o envelope e ficou surpreso com o que viu, pois havia um cheque de R$100.000, 00 reais)
(GERALDO:) Estou sonhando! Quanto dinheiro! Será que é meu mesmo? (Então, examina o envelope com seu nome) Sim! É meu nome, Geraldo Delamar. Meu Deus! Que felicidade! Nunca mais passarei necessidades. Não terei fome, nem frio. Poderei ter roupas novas, um agasalho para me proteger do frio e sapatos! Eu terei uma nova vida. Poderei até estudar! Que felicidade! (E examina o outro embrulho)

(GERALDO:) Esse é o presente de Jorge. O que será que tem aqui. Não, eu não vou olhar para ver o que é. Amanhã eu irei a sua casa e entregarei para ele. Mas com certeza o melhor presente da festa foi o meu. Que bom saber que alguém me amou tanto assim, para mudar a minha vida com esse presente! Amanhã ou outro dia eu procurarei o Jorge para lhe dar seu presente. (Então, Geraldo saiu, beijando o seu cheque)

Narrador
Alguns anos se passaram e Geraldo havia se transformado num rapaz bonito e sorridente. Estava sempre bem vestido e morava em uma casa confortável. Nunca mais passou fome ou frio. Sua vida em nada se parecia com há de alguns anos atrás. O tempo passava e Geraldo nunca tinha tempo para entregar o presente de Jorge.
Alguns anos mais tarde, nós o encontramos novamente, numa véspera de natal (Geraldo aparece bem vestido e feliz. Ajeita sua roupa e fala:)

(GERALDO:) Mais um natal! É, e pensar que há alguns anos atrás, numa véspera de natal, eu estava quase morto de tanto frio e fome, querendo ganhar de presente um simples par de sapatos. (E olha para suas roupas e sorri).
Nunca me esquecerei daquele presente, que recebi naquela véspera de natal. Que presente maravilhoso. Mudou a minha vida. Eu era um pobre, miserável e agora sou um outro homem. Mas tem uma coisa que me incomoda, eu ainda não entreguei o presente de Jorge. Quanto mais o tempo passa mais difícil se torna para mim. Pobre Jorge! Espero que sua vida esteja melhor agora (E se retira!)

NARRADOR: Muitos anos se passaram, e Geraldo já é um homem feito. Se casou, teve filhos. Tem um bom emprego, muitos amigos. É um homem realizado. Quase nem se lembra mais de sua vida miserável quando criança. (Geraldo entra carregando uma Bíblia)

(GERALDO:) Espero que o culto de natal não demore muito essa noite. A minha família e os meus amigos me esperam para a ceia de natal e não quero fazê-los esperar demais. Será que comprei presentes para todos?
(Geraldo faz gesto como se lembrasse de alguma coisa). Puxa vida! Me lembrei do presente que guardei para entregar ao Jorge. Ele está comigo há tantos anos. Ah! O Jorge nem sabe que eu estou com o presente dele... Deve ser algo sem importância. Eu não preciso me preocupar com isso... Eu não o abri nem por curiosidade e ninguém pode me acusar de nada. Sou um bom crente. Freqüento a igreja e cumpro os meus deveres de cristão. É...eu não cometi nenhum pecado.
(Entra Basílio com a cabeça baixa e triste)
(GERALDO:) Que houve com você Basílio? Está tão triste! Esqueceu que hoje é véspera de natal? Hoje é dia de alegria, vamos se anime.

(BASÍLIO:) Sim meu amigo, Geraldo, eu estou muito triste. Eu acabei de ver uma cena que me deixou arrasado.
Eu acabei de ver um homem todo maltrapilho que pedia esmolas na rua, desmaiar de tão fraco que estava, e bater com a cabeça numa pedra. O pobre coitado morreu na hora.

(GERALDO:) Que coisa triste Basílio! Se ele tivesse amigos que o ajudassem, não teria chegado a esse estado. Você sabe quem é?

(BASÍLIO:) Algumas pessoas que viram o acidente disseram que se chamava Jorge... Jorge Cristie (Geraldo se assusta ao ouvir aquele nome)

(GERALDO:) Meu Deus! Não é possível! Eu o conhecia. Éramos amigos de infância.

(BASÍLIO:) Sinto muito Geraldo!

(GERALDO:) Eu é que sinto muito, Basílio! Há muitos anos eu trago comigo esse envelope para entregar a ele, e nunca entreguei. Nem sei o que é. (Entrega o embrulho para Basílio e diz)
(GERALDO:) Por favor, abra Basílio.

(BASÍLIO:) Veja Geraldo! Aqui tem um cheque de R$100.000.00 igual ao que você ganhou naquele natal.
Você estava com a vida dele em suas mãos e podia tê-lo salvado, mas não fez nada. Agora você terá que viver com essa culpa em sua consciência.
Ele poderia estar tão feliz como você está, com sua nova vida. Se não fosse por sua omissão. Você foi egoísta e deixou que ele morresse sem saber que havia um presente tão valioso para ser entregue a ele.  (Geraldo abaixa a cabeça e se retira vagarosamente. Basílio também sai, olhando-o com desprezo)
 
NARRADOR: Antes que você condene a Geraldo por sua atitude egoísta, quero lhe falar de outra história acontecida há mais de 2.000 anos atrás. Numa noite estrelada, numa simples estrebaria nascia Jesus o Filho de Deus. Ele nasceu, viveu e morreu derramando o seu sangue numa cruz, para que você, que está aqui nessa noite, fosse reconciliado com Deus. Todos nós estávamos separados de Deus, por causa do pecado, mas, Jesus deu a sua vida como um presente de inestimável valor para que você tivesse nova vida.
Mas existem muitas outras vidas, como Jorge, que ainda não receberam esse presente, e é sua responsabilidade levar esse presente até eles, que é Jesus.
O que tens feito com esse presente? Tens guardado só para si? Tens feito como Geraldo, acreditando que ele fosse o único merecedor de tal presente?
Muitos nessa época, a exemplo de Geraldo, se preocupam com os presentes, com a ceia farta e se esquecem do aniversariante.
É tempo de alegria, tempo de gratidão. Tempo de compartilharmos esse presente valioso com aqueles que estão morrendo sem conhecer esse Deus amoroso que tanto nos amou.
Geraldo achou que para ser um bom cristão bastava frequentar a Igreja, entregar o dízimo, mas se esqueceu do que Jesus disse antes de subir aos céus: ”Ide por todo mundo e pregai o Evangelho a toda criatura...”
A Bíblia diz que se não avisarmos o ímpio acerca de seu mau caminho, a fim de salvar a sua vida, aquele ímpio morrerá, mas o seu sangue Deus requererá de nossas mãos.
Seja agradecido e compartilhe a salvação. Jesus morreu não somente para alguns, mas pelo mundo inteiro.
E você... Ainda não recebeu esse presente? Então abra seu coração nessa noite e receba uma nova vida através de Jesus.

 Prof Gi

2 comentários:

ELIZANDRA ARANDA Responder comentário

QUE LINDO ESSE TEATRO. DEUS ABENÇOE AMIGA.FICA NA PAZ!

EBD Vencedores Responder comentário

@ELIZANDRA ARANDA
A Paz do Senhor minha amiga!

Fico muito contente com tua visita! Que Deus os proteja grandemente!

Com este teatro, desejo que muitas pessoas venham realmente entender a palavra de Deus para conosco! Pois o Senhor é bom, e Ele nos quer ver bem!

Amei teu blog e já o estou seguindo, por ser edificante!

Com carinho!
Prof Gi.

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Envie esta página a um amigo!
Customização by Lady Mel
♥ Lady Mel Layouts ♥